Deixe um comentário

A Expressividade Interna em Função do Gestual

 

               A Xilogravura Expressiva é trabalhada na madeira inviolada pelo gestual do
gravador. Dá-se essa violação gráfica na sua essência: o trágico, aos sentimentos, e ao
espontâneo de um interior pessoal do artista. Esse interior que abordo, declaro ser uma
relação mais real quando expressa na xilogravura. Ou seja, as suas diretrizes são
negadas e a expressão interna vem em gestos do corpo quando talho a madeira,
diretamente do espontâneo, assim elimino o pensamento prévio da imagem.

me encontrar 173X109Diego A. Fonseca, Xilogravura – “Me Encontrara” 17,3 X 10,9 cm

 

Declaro a imagem acima, de minha autoria com o título “Me encontrar”, como
espontânea, expressão de uma linguagem interna dos meus sentimentos de imensa
solidão. Pois, quando me coloco à frente do “fazer artístico” me deixo levar pelos
sentimentos e a imagem aparece instantaneamente. Nessa xilogravura há um
personagem de traços livres, rápidos e limpos que se encontra sentado em frente ao mar,
perdido na imensidão de seus pensamentos, a questionar a vida. A montanha e o sol têm
função de resgate do personagem a fim de mostrar uma saída, o sol é uma luz para um
novo caminho e a montanha uma nova perspectiva de ideias. Essa gravura emanou de
um ato que ocorreu de uma necessidade interna, e assim que construída a imagem, ela
tornou-se parte de um devaneio de pensamentos no qual remete a uma lembrança. E
quando definida a imagem, um significado torna a aparecer.
A identidade de algumas pessoas se define em só ter e não sentir, tornando para
mim um meio para produção de imagens. O homem moderno como indivíduo de seu
próprio destino, trás para si mesmo o pessimismo ao se perceber sozinho e sem lugar no
mundo existencial das coisas, no qual vive aprisionado por seus questionamentos. Os
artistas que cito nesta pesquisa souberam expressar esses sentimentos de fraqueza. Ou
seja, o homem não se vê em um significado para a vida, uma identidade, portanto a
desistência é irremissível. E a partir deste pensamento as imagens gráficas do artista
Kirchner se tornam para mim mais impactantes. Ou seja, quando a imagem traz um
referente da decadência do ser humano.
O pensamento de que tudo na vida se torna impossível liga os acontecimentos de
uma década de caráter político. O início do século XX, fez com que o homem se
encontrasse inexistente consigo mesmo. O que mostra uma identificação com o patético
nas imagens de Kirchner. Esse patético, eu percebo quando o artista se coloca em
função de retratar a vida como ela é. Ou seja, essa vida medíocre, por ser uma falsa
realidade quando se trata do quotidiano, em que a vida se torna um ciclo de afazeres e esse ciclo envolve o estado somítico de percepção ao próximo.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: