Deixe um comentário

A Cor na Gravura

coleco19Fayga

A cor não colore, ela impregna a gravura. Integra-se à materialidade na dinâmica do gravar. A cor não é um procedimento técnico justaposto à gravura. A escala cromática acolhe múltiplas tintas, dentre elas a tinta negra, a brancura ou outra qualquer tonalidade do papel, dando-lhe vitalidade. O papel se torna cor substancializada. O gravador não trabalha a matéria inerte. Ele aprimora uma matéria desejada, executando através da técnica metamorfoses múltiplas, que envolvem a cor. Nessa dinâmica, que inclui o negro, a cor transforma a matéria pelo trabalho da mão. A cor se torna matéria luminosa! Coloridas, linhas e manchas impõem limites e expansões à materialidade própria de cada técnica na “reprodução da gravura”. A cor impõe limites e expansões. Mas nesse jogo cromático, o preto tem matizes de cor reveladora. Ao dar cor à matriz, o gravador imprime cor às texturas. Com a cor, ele quebra a rigidez da superfície material. Ele a transforma pelo colorido ou pelo negrume que se insere na matéria trabalhada. Podemos então dizer: a escolha da técnica é por si só um ato expressivo. Assim é a escolha da cor, posto que a tinta perde a neutralidade ao integrar-se a essa poética. O gravador quer a cor no âmago da matéria, para isso ele a integra aos movimentos ativos do espectro cromático em que a mão trabalha a matéria luminescente. A escala cromática adquire novos comprimentos de onda. De ondas pulsantes que se deslocam em profundidade ou em alteamento. A nova matéria cromática perfaz movimentos ascendentes ou descendentes. Trata-se de uma poética da cor. Aqui, cessam da cor os efeitos físicos e químicos. Os efeitos óticos são efeitos de potências cromáticas que impregnam o espaço poético, criando o tempo da cor, e revelando uma natureza transformada. As cores utilizadas por diferentes gravadores têm densidades e texturas comuns a cada técnica, apresentando profundidades diversificadas. A cor tem definições motrizes, por isso a fruição da cor é expressiva diante do olhar: expressa espaços e tempos intrínsecos às diversas técnicas.

fonte http://www.revista.agulha.nom.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: