Deixe um comentário

Rubem Grilo e seu mundo de sonhos e vivências

grilo-link-02a

O artista plástico Rubem Grilo traz para seus trabalhos as coisas que viu e que o impregnaram, despertando-lhe sonhos, pensamentos e vivências. O resultado são obras extremamente ricas em detalhes, que passeiam pelo fantástico, com linhas e traçados surpreendentes.

Talhados na madeira e impressos em tecidos ou papel, traços de homens e suas almas denotam com clareza o estilo de Grilo. Em seu mundo, podemos ver não só o contorno exterior dos personagens, mas aquilo que os preenche. As expressões e contextos nos fazem imaginar a mão do artista a trabalhar nos vãos que, preenchidos com a tinta da xilogravura, se transformarão em um resultado tão belo quanto curioso e, por vezes, sombrio.

Com 40 anos de carreira, Rubem Grilo encontrou no desenho uma forma de superar a crise pela qual passou após se formar em Agronomia. Estudante recém-graduado no período da ditadura militar, Grilo chegou a ser preso duas vezes, ainda na universidade.

A mudança de profissão e a identificação com a xilo se deu pelo envolvimento manual da gravação – as etapas do trabalho vão desde a elaboração do desenho até o estágio final da impressão. Para ele, a obra impressa contém a marca do que aconteceu durante o processo, e seu resultado funciona como um espelho, que reflete o oposto do ponto de partida.

vídeo do artista: http://www.youtube.com/watch?v=5BHUbZD9r5A

De suas primeiras obras, feitas em 1971, restam apenas lembranças. As quase 300 xilogravuras foram destruídas e, graças a isso, o autor acredita ter queimado uma espécie de gordura criativa, como quem precisa esvaziar um espaço para preenchê-lo novamente.

O que pode parecer loucura para alguns funcionou para o artista, pois, com uma obra que amadurece enquanto trafega pela ousadia da experimentação, Grilo se entrega prazerosamente ao acaso. Para ele, mais que a influência de Oswaldo Goeldi – nome impossível de ser esquecido quando se lembra do expressionismo na xilogravura – e da compreensão e absorção do humor crítico, adquirido em seus tempos de redação, quando era ilustrador de jornais (o que voltou a fazer hoje, ilustrando a coluna de Ferreira Gullar), o mais interessante no processo é o jogo de interação entre as interferências concretas e o acaso. “Essa parte imprevista é a que mais me motiva, pois sinto que ela me ultrapassa”, afirma Grilo.

Apesar do volume de dados e informações que o circundam, ele acredita que a obra se desenvolve na solidão do ambiente de trabalho, e diz: “há o sentimento de orfandade do mundo. O trabalho surge de uma página em branco, de um espaço a ser ocupado pela subjetividade”.

Para quem se dispõe à aventura, a obra de Rubem Grilo vence os limites do real e absorve quem a contempla, dando ao observador a vontade de mergulhar em seu universo. Como escreveu Ferreira Gullar: “que a gravura tem um caráter próprio, inconfundível, é inegável. Tentar apreendê-lo e defini-lo é o desafio que se tem pela frente”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: